Tô poesia

Porque respira, porque faz cria.

Hoje eu tô poesia, mas tô de verdade. Das que misturam histórias e memórias aos grandes escritores e das que misturam o que eles escrevem ao dia a dia. Hoje eu tô poesia, tô lida, tô mestre. Hoje eu tô naqueles dias em que nada, absolutamente nada que preste, sai da cabeça até que adquira versos e palavras soltas cuja rima é só provável.

Hoje eu tô arteira, tô delicada. Hoje eu tô com vontade de casa. Daquelas que dão em qualquer lugar, mesmo no quintal. Daquelas vontades que te tomam e só passam quando você dorme. Hoje eu tô enorme, mas também tô pequena. Por culpa da vida, das coisas serenas. Por culpa da via que eu escolhi. Via minha, via vida. Tô poesia.

Quem diria.






2 comentários:

  1. Oi Carolina!
    Tudo bem?
    Que poema lindo!
    Realmente em alguns momentos nos sentimos gigantes e minúsculos dependendo do ângulo que formos focar!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lu! Fico feliz que tenha curtido!

      Excluir

Agradeço sua visita e espero que tenha gostado. Volte mais vezes!