Comigo



Te prendo na retina, te prendo na rotina. Te prendo de tanto jeito que nem me solto mais.

Sempre começa assim. Eu com você, você em mim. Nos pensamentos, na escrita e na saudade. Na vontade que fica de passar colados o dia, a noite e a saideira.

Sempre começa assim e os nossos corpos se arrepiam. Se conversam, se esquivam. Então vem a tensão e o equilíbrio, um tentando fazer o outro compensar a falta que isso faz. Porque faz, a gente sabe que faz.

Te prendo na retina e te prendo na rotina. Por cima, nas nuvens, por baixo dos panos. Te prendo na cortina nos meus planos, no que eu ando a cada esquina. Todo dia, toda hora.

Te prendo de tanto jeito que já nem me solto mais. 

Gosto assim.

4 comentários:

  1. hahahaha adorei o jogo de palavras, a forma como o eu lírico se posiciona ao ser desejado que de tanto prender também se prende, talvez, numa teia das boas.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Que amor de texto! Adorei a forma poética com que você expressou os sentimentos e a sua delicadeza com as palavras.
    Acredito que a melhor sensação do mundo seja a de gostar tanto de estar com uma pessoa que não quer mais soltar e você retratou isso muito bem no texto.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. curti a postagem, esse jogo de palavras ficou deveras interessante... mas confesso que nos ultimos tempos ando me desprendendo ao invés de me prender a certas coisas e pessoas... enfim... hahahah
    bjs...

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e espero que tenha gostado. Volte mais vezes!