Certeza

Ah, quando a água bater... 

Não vai ter quem me segure, não vai ter quem me atrase. Não vai ter mão que me atrapalhe. Quando a água bater, vai fluir naturalmente. Vai fluir como algo que já é meu, só que mais refrescante. E vai brilhar ao sol, vai refletir, porque quando estamos bem é isso que acontece: reflete.

Quando eu der o próximo passo, quando a água bater nos meus braços e quando eu me der conta de que chegou a minha vez. Ah, não vai ter quem me diga que fez. Que errei ou que preciso fazer de novo. Não vai ter quem me diga que o caminho que encontrei é diferente do meu. Quando eu mergulhar, quando a água bater, eu vou saber, vou sentir. 

Como a gota que escorre pelo meu rosto, como o toque que agora molha meu cabelo. Quando a água bater, levará com ela tudo que não é meu. Mesmo. E eu não vejo a hora.  



2 comentários:

  1. Que lindo, Carolina!
    Me trouxe a sensação boa da água da praia em contato com a pele naqueles dias de calor hahaha
    Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto, Carol!

    Já disse que adoro sua escrita, né?

    Beijos!

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita e espero que tenha gostado. Volte mais vezes!