2015 me ensinou...

Que tudo que passa, realmente passa. Que só fica comigo aquele que realmente quer, não importa quanta atenção eu dê. Que eu não sou falsa só porque decidi omitir o que me faz feliz até que eu tivesse um sorriso de verdade no rosto. Que não há mal nenhum em querer alcançar um pouco mais. Que nada que é válido me faz pensar duas vezes. Que há pessoas de todos os gostos e que mesmo que eu aprenda isso, algumas nunca vão aprender. Que ninguém é totalmente incapaz de alguma coisa. Que não importa como eu me apresente, as pessoas sempre vão lembrar de mim por algo que falei, fiz ou deixei de fazer. Que ganhar minha confiança não é fácil, apesar do que sempre parece. Que não importa quantas vezes eu seja capaz de recomeçar, algumas pessoas vão me julgar na primeira mudança. Que eu não sou menos amiga por ter aprendido a dizer "não". Que eu preciso cuidar mais de mim e dos meus interesses se quiser me sentir bem. Que a intolerância só forma pessoas incompletas e lidar com pessoas assim é perda de tempo. Que dizer "sim" o tempo todo cansa, não importa o quanto eu goste de agradar. Que ninguém vai fazer por mim o que eu faria por mim mesma, exceto aqueles que amo. Que eu posso aceitar elogios, mesmo que alguns não passem de uma máscara. Que encorajar o sonho de alguém vale muito mais do que perder tempo com quem pode atrapalhar o meu. Que simpatias da virada não fazem efeito se eu passar o ano inteiro procrastinando. Que gente que não gosta de animais não é 100% confiável. Que a inveja aparece disfarçada, mas só me atinge se eu deixar. Que não importa o que os outros pensem, é a minha opinião que eu sei de cor. Que eu não preciso me dirigir a quem não se dirige a mim ou aos meus com respeito. Que não, mudar de opinião não significa não ter palavra. Que não, eu não seria mais bonita se fosse mais magra. Que só sente vergonha de quem é aquele que não sabe o valor que tem.
Que a minha fé muda qualquer coisa que eu precisar que mude. Que eu tenho um coração bom, mas que ele não precisa ser bobo. Que não tem graça ser exatamente o que esperam de mim. Que nenhuma amizade deve ser avaliada pelo tempo. Que sim, um conto faz de mim uma escritora. Que nada é mais importante do que a minha família. Que dessa lista eu posso levar o que eu quiser.




Gostou? Para receber os próximos posts, clique aqui

2 comentários:

  1. Acho que tem muito de mim nesse texto aí! Muito do que aprendi em 2015 está aí!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, que isso seja bom! Obrigada pelo apoio de sempre, Dido. ♥

      Excluir

Agradeço sua visita e espero que tenha gostado. Volte mais vezes!